Preço do querosene igual para todos empresários

Alguns anos atrás, quando o país vivia uma crise econômica terrível, com uma inflação assustadora, ter carro era apenas para os ricos. Até telefone não era algo acessível a todo mundo. Andar de avião então nem se fala.

Com a criação do Plano Real em 1994, a inflação foi, portanto, dominada sem congelamento de preços e sem o grande dissabor do confisco de dinheiro nos bancos. Essa estabilização da economia facilitou a compra de carro, ter telefone e andar de avião.

Essa força do Real gerou uma fase de tranquilidade econômica no Brasil, levando o país a se destacar no cenário internacional. E junto a isso algumas características singulares que nós possuímos, valiosíssimas no mercado internacional:

— grande produtor agrícola;
— parque industrial diversificado;
— grandes reservas minerais, e com a descoberta da camada pré-sal será auto-suficiente em petróleo e possível exportador;
— possui um grande mercado consumidor.

Se o cidadão comum pôde comprar o seu carro, por outro lado um grande número de empresários pôde também comprar avião e assim resolver seus negócios, dentro e fora do país, com mais urgência, sem ficar dependendo de recorrer a voos comerciais, que vira e mexe andam enfrentando problemas e consequentemente afetando os horários de embarque, muitas vezes até suspendendo voos.

O abastecimento de jatos e aviões no Brasil consume anualmente, em média, 7 bilhões de litros de querosene de aviação. Só que essa volumosa quantidade de querosene não tem o mesmo preço por litro. Nesse cenário as grandes companhias aéreas são privilegiadas.

Enquanto o preço médio do litro de querosene sai a 2,24 reais para  companhias aéreas de voos comerciais dentro do Brasil e quase 2 reais para voos internacionais, para os empresários que utilizam o próprio a avião em suas atividades empresariais o preço passa de R$ 4 reais.

Desse total do valor médio pago pelas companhias , 71,7% fica para o produtor do querosene; 3, 2% para tributos federais; o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) incide entre 12% a 25% (dependendo do Estado); a taxa aeroportuária em 0,8%; e os distribuidores consomem 4% dessa fatia.

O governo federal, por meio do Ministério das Minas e Energia, precisa enxergar que os empresários que utilizam seu avião estão gerando negócios, gerando mais empregos, mais prosperidade. O preço que eles pagam por litro é superior a 4 reais. Fora do país o preço cobrado é menos da metade.

Esses empresários não estão a lazer em suas aeronaves enquanto corta o céu do país, estão a trabalho.

8 Comentários

  1. O que esta acontecendo no Brasil com o querosene de aviação para aeronaves executivas vai de encontro com o que o governo diz querer, crescimento e desenvolvimento, todos os países da américa latina praticam preços pela metade dos praticados aqui no Brasil. Isso freia o turismo e os negócios dentro do Brasil, de uma parcela da sociedade que pode ajudar muito no crescimento do país.

    Sem demagogia de querer dizer que se tem avião pode pagar caro, e caro mesmo, fora da realidade, o preço chega a 6 reais o litro em Manaus e Boa Vista, porta de entrada de muitos aviões para o Brasil.

    O preço era igual para todos no passado, tanto empresa aérea como aviação geral pagavam o mesmo preço pelo querosene, de uma hora para outra o preço explode. Temos de rever esse segmento sim.

  2. Romildo,

    Muito pertinente seu comentário. Essa política de preço é injusta. Como bem disse você, ela freia o turismo e os negócios dentro Brasil.

  3. O preço do querosene é ridículo no Brasil. Como uma matéria editada no New York Times, onde dizia-se que o preço de uma Cherokee é caro no Brasil, indicando que os Brasileiros estão endinheirados e são estúpidos de pensar que uma Cherokee é um carro de luxo em país decente.

    Hoje pagamos o querosene mais caro do mundo, até mesmo três vezes o valor do combustível vendido na ilha de CURAÇAO, que não se tem a dimensão continental para se ter um córrego para gerar energia e refinar o produto. Ora, do que adianta a conversinha de campanha de que o Brasil é rico em recursos minerais, dono da Petrobrás e do Pre-sal, sabendo-se que o preço aqui é o dobro do de nossos países vizinhos e Caribe, onde não se produz nada!

    Não sou rico, dependo de minha aeronave para ganhar a vida. As vezes me parte o coração quando se vende um voo para uma necessidade de urgência de saúde nas localidades mais longínquas, onde uma família as vezes vende tudo para remoção de um ente querido, devido ao alto preço do querosene, que hoje chega em torno de 58% do voo.

    Não me esqueço num encontro de operadores de táxi aéreo, onde o ministro Jobim disse que aviação para ele começava com aeronaves com assento acima de 20 lugares.

    Me admira uma Nação onde foram desbravadas as regiões mais ricas do País, que produzem carne e soja, por pequenos aviões, devido a falta de acesso e infraestrutura. Um Ministro de Estado com tanta ignorância desconhecer a importância da aviação executiva em todos segmentos. Não me admira a ignorância do comando do Governo somente ter como estímulo da economia, redução de IPI de carros e geladeiras, enquanto o mesmo sufoca outros segmentos injustamente pela indicação política de pessoas, em órgãos que desconhecem a realidade do segmento como ANAC e INFRAERO, que se tem somente uma filosofia de quem tem avião tem se muito dinheiro, e está a passeio ao mundo.

    Há exatamente uns 45 dias atrás, tivemos uma cotação de um empresário, de um voo para Luanda na Angola. O preço mais baixo cotado no Brasil ficou de R$ 400.000,00 reais, em um avião executivo médio G200, saindo de Brasília, enquanto que a aeronave que ganhou a cotação foi um Gulfstream GlV saindo de Fort Lauderdale na Florida, passando em Brasília para apanhar o passageiro, indo a Luanda, retornando Brasília, Fort Lauderdale, com o preço de U$ 136,000.00 dólares (R$ 278.000,00 Reais). Em outras palavras, perdemos a concorrência até para quem está a 6.600 Quilômetros daqui, devido ao alto preço impraticável do querosene: duas vezes e meia do valor americano.

    Devido ao atual preço do querosene e Infraero absurda, os dias de vários aviões e oficinas do segmento estão contados, caso não haja uma mudança pelo menos equiparável, como os mais miseráveis países vizinhos, que recebem combustível do nosso País, com um preço final menor do que o nosso, que somos filho desta terra, que no fim de tudo, não nos dá nada de retorno, se não somente altos impostos e taxas absurdas fora da realidade .

  4. Senador Wilder Moraes,

    Aprovadíssima a sua iniciativa em acabar com essa disparidade entre setores importantes que compõem atualmente a cenário da aviação civil brasileira. No que for necessário, conte com o apoio da Família Piquiatuba Táxi Aéreo Ltda., uma Empresa de Táxi Aéreo com aproximadamente 100 colaboradores e um dos expoentes na aviação civil do Estado do Pará. Obrigado.

  5. Boa tarde!

    Venho deixar a minha triste realidade em lutar, lutar e não vê nenhum horizonte a frente. Sempre escutei que se querosene fosse o preço de gasolina de carro a aviação parava. Hoje estou vendo que a nossa aviação não tem como tocar. O querosene custa duas vezes o litro de gasolina. A infraero, Decea, Anac , simuladores e tantos outros aumentando e nós de empresas de Taxi Aéreo não conseguimos repassar aos nossos clientes. A demanda diminuiu. Espero que a união faça a força e que consigamos prosperar .

  6. Jorge Helimarte Táxi Aéreo

    Senador, meu nome é Jorge Bitar e sou operador de um Táxi Aéreo em SP.
    Muito importante termos um aliado de sua importancia. Vivemos tentando negociar os valores e não temos a menor chance de chegar ao preço das cias grandes. Somos todos ouvidos ao que puder ajudar.
    Estarei divulgando seu texto.
    Abraços.

  7. Admiro a iniciativa. Também temos sentido muito o impacto dessa alta do preço do querosene. Somos operadores de aviação agrícola. Apoio a iniciativa e não tenho duvidas que o volume que todos nos consumimos é pequeno em relação às cias aéreas, ou seja, nossa conta fica mto alta pra financiar o consumo deles.. Cada um deve ter condições de igualdade para desenvolver sua atividade.

  8. NUM OUTRO CENÁRIO, O DAS GRANDES COMPANHIAS DE NAVEGAÇÃO AÉREA, OLHA SÓ O QUE ACONTCEU COM GOL EM 2012.SUA POLÍTICA DE EXPANSÃO AGRESSIVA E IRRESPONSÁVEL A LANÇOU NUM PREJUÍZO HISTÓRICO PARA O SETOR, MAIS DE IHUM BI E MEIO DE REAIS.EU JÁ PREVIA QUE TORNAR TARIFAS TÃO ABAIXO DA REALIDADE, MUITO AQUÉM DA SAUDÁVEL COMPETITIVIDADE, LEVARIA NÃO SÓ A GOL COMO A TAM E A AZUL AO VERMELHO(ALIÁS AZUL NO VERMELHO EM BREVE)E SE ASSIM CONTINUAREM, COM CERTEZA NOSSO MERCADO SERÁ TOMADO POR ESTRANGEIROS QUE IRÃO ARREMATAR A MASSA FALIDA DESSAS TRÊS.QUEM VIVER, VERÁ!