Fórum Empresarial faz reivindicações ao governo

Reportagem publicada pelo jornal Diário da Manhã — 24 de maio de 2016

wilder morais

Wandell Seixas — Da Editoria de Economia

Oito foram os itens reivindicatórios do segmento produtivo de Goiás, firmados num documento representado pelo Fórum Empresarial, e entregues ontem aos senadores goianos Ronaldo Caiado (DEM) e Wilder Morais (PP) pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Pedro Alves de Oliveira. A senadora Lúcia Vânia (PSB) justificou a sua ausência por razões de saúde. Na oportunidade, além dos pleitos, os senadores foram enaltecidos pela admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, “em um momento tão difícil para todos os brasileiros”. Os dois senadores se comprometeram a desenvolver esforços no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto para atendimento do pleito dos empresários da cadeia produtiva goiana.

Para os componentes do Fórum Empresarial, “será um grande desafio para a equipe do governo, liderado pelo presidente Michel Temer, encaminhar as soluções necessárias à correção de rumo dos processos político e econômico do Brasil, o que, certamente, dependerá de atuação firme e altruísta de os parlamentares”. Segundo o documento firmado, os empresários signatários entendem que a “retomada do crescimento deve ser feita pela redução das despesas, com aumento da eficiência de gestão, e pela restauração da confiança dos investidores”.

Conforme o texto do expediente, “é importante ainda usar políticas para estimular o aumento dos investimentos e da competividade das empresas”. Ao executivo e legislativo, sugerem a adoção de oito medidas que visem à retomada do crescimento econômico.

As reivindicações

Os oito itens: 1 — Diálogo aberto e permanente com as lideranças empresariais, que desejam contribuir com o Brasil neste momento de dificuldades; visando a adoção de medidas transparentes e eficazes aprovadas pelo Congresso Nacional.

2 — Comércio exterior – Estímulo às exportações, por meio da articulação de uma política cambial adequada, melhorias na infraestrutura e aceleração de acordos comerciais internacionais.

3 — Reforma trabalhista – Apoio para a concretização da reforma da legislação trabalhista e previdenciária, especialmente no que se refere a valorização das negociações acordadas em convenções coletivas.

4 — Terceirização – Apoio para a aprovação do projeto que regulamenta a terceirização.

5 — Juros – Negociação junto ao Ministério da Fazenda e ao Banco Central visando à redução da taxa de juros, para favorecer os investimentos que são inibidos pelas praticadas atualmente. Estamos convencidos de que o aumento da receita da qual o governo necessita virá da recuperação da atividade econômica.

6 — Carga tributária. Rejeição à idéia de aumento da carga tributária por meio da criação de novos tributos.

7 — Sistema S – Defesa enfática das entidades do Sistema “S”, que prestam inestimáveis serviços ao País.

8 — Pronatec. Apoio à continuidade e dinamização do Pronatec, dada sua importância social e econômica para o País.

Posição dos senadores

Os senadores goianos Ronaldo Caiado (DEM) e Wilder Morais (PP) se comprometeram a desenvolver esforços para atender aos pleitos dos empresários do Estado, através do Fórum Empresarial. O senador pepista discorrendo sobre a necessidade que a União de arrecadar para saldar suas dívidas, deixou entendido que “nem sempre a recomendação melhor seja a do aumento de tributos, mas, às vezes, de impedir a sonegação fiscal”. O governo de Goiás já põe em prática este método. A terceirização evita também contribui para a economia estatal e deu um indicador de 60 milhões de brasileiros sob esse regime de trabalho. “Então, pelo que se vê, gera renda”, observou.

Ronaldo Caiado, por sua vez, ponderou aos presentes que algumas das propostas do Fórum Empresarial terão dificuldade de serem levadas adiante, pelo menos por enquanto. Entre elas, citou a da alteração da legislação trabalhista. Em sua visão, “o momento exige cuidados especiais”, que, pessoalmente, lhe tiram o sono. Deu como exemplo o déficit de R$170 bilhões deixado pelo governo petista. Caiado afirmou que a situação delicada da política nacional exige decisões firmes por parte do presidente em exercício Michel Temer (PMDB), sob o risco de haver perdas nas reivindicações das ruas. O encontro foi em agradecimento à bancada goiana no Senado pela votação unânime em favor do impeachment de Dilma Rousseff.

Fórum Empresarial

O Fórum Empresarial é constituído pelas Federações da Indústria, Comércio, Agricultura. Compareceram à reunião com os senadores Wilder Morais e Ronaldo Caiado os presidentes da Fieg, Pedro Alves de Oliveira; José Evaristo dos Santos, da Fecomércio; José Mário Schreiner, da Faeg; Wilson de Oliveira, da Fieg Regional de Anápolis; Célio Eustáquio de Moura, do Sindcel; Heribaldo Egídio, do Sindifargo; Euclides Siqueira, da Acieg; Helio Naves, do Simelgo; Carlos Alberto de Paula Moura Junior, do Sinduscon; Antônio Almeida, Sigego; Gilberto Martins, do Sindiareia; André Rocha, do Sifaeg/Sifaçucar.