Escola pública forma vencedores

Reportagem publicada no jornal O Eixo — 5 de dezembro de 2014

Alunos da mesma cidadezinha do interior, da mesma escola, da mesma sala, ganham seguidos concursos nacionais. E não é coincidência, é dedicação — dos estudantes e dos professores

Ângela Lobo

O governador Marconi Perillo ainda não definiu quem vai ser o próximo secretário de Educação. Se apoio político tiver algum peso, certamente o escolhido será o professor Jeová Antônio de Oliveira, do Colégio Estadual Rui Antônio da Silva, de Turvelândia, a 211km de Goiânia. A indicação é de dois senadores, Iago Lima Queiroz e Beatriz Vitalino Pereira. Assim como Marconi, Beatriz está em fim de mandato; igual a Marconi, Iago acaba de ser eleito. Goiás chegou ao primeiro lugar no Ideb graças a professores como Jeová, capazes de gerar frutos maravilhosos como Beatriz e Iago.

Em política pública não há coincidência. Só existem glórias como Iago e Beatriz porque existem profissionais de Educação dedicados, vocacionados e criativos como Jeová. Participaram de concurso nacional que escolhe “jovens senadores”, disputando com estudantes de todo o Brasil. Ou seja, se alguém está na bancada goiana por mérito é a dupla de alunos de Jeová. Em 2013, a vencedora foi Beatriz. Neste ano, Iago. Além de serem da mesma cidadezinha, da mesma escola, da mesma sala, outra característica une os campeões: adoram ler. O hábito é incentivado pelos professores, o que mudou a rotina e vai melhorar o futuro dos jovens.

DESMENTEM RIMBAUD

Beatriz e Iago têm 17 anos, desmentindo o francês Arthur Rimbaud, que no poema “Romance” afirma que “ninguém é sério aos 17 anos”. Podem participar da competição, iniciada pelo Senado em 2008, quem está com no máximo 19 anos. Os temas são definidos pelo Senado: em 2013, “Quando o gigante acorda”; neste ano, “Se eu fosse senador”. A dupla goiana já sabe o que quer ser: Beatriz, psicóloga; Iago, cientista político ou engenheiro civil.

Em visita ao Congresso, ambos conheceram integrantes do Congresso: Beatriz esteve com Ronaldo Caiado, o senador eleito em quem votou; ambos conversaram com Wilder Morais, que reúne as duas vontades de Iago (é senador e engenheiro). Ao ouvir parte da biografia de Wilder, Iago e Beatriz se animaram: o senador também estudou em escola pública de cidade pequena (Taquaral), também é filho de família humilde (como os dois) e se tornou empresário de sucesso. Por mérito. Tudo o que Iago e Beatriz pretendem.

FAMOSO E TRABALHADOR

Sobre sua escolha como jovem senador, Iago diz que “o trabalho foi árduo, mas gratificante”. A partir do resultado do concurso, ele e Beatriz ficaram famosos na cidade. Não são casos isolados. O nível da escola inteira é muito alto, acima das particulares. Seus alunos se destacam no Enem e em vestibulares de Goiânia e das cidades-polo na região, Santa Helena e Rio Verde.

Se o próximo secretário de Educação for alguém com as virtudes de um Jeová, Turvelândia (4.829 habitantes, segundo o IBGE 2014) pode repetir em Goiás o sucesso de Cocal dos Alves, que colocou nas manchetes internacionais alguns de seus 6.014 moradores – eles dominam as olimpíadas de matemática. Coincidência? Não: lá, como em Turvelândia, o êxito da meninada está em uma escola pública estadual (a Augustinho Brandão) e nos alunos de um professor diferenciado, Antônio Cardoso do Amaral, o Jeová de lá.

NA GRÉCIA

Iago e Beatriz encerram o ano com excelentes notas em redação e elogiam Jeová: “É um ótimo educador”, diz Iago. Jeová leciona português, filosofia e inglês. O ato de escrever para Iago é prazeroso, pois é fascinado por leitura: “Sem ler, a gente não aprende a escrever”. Em sua redação, Iago passeou pela Grécia antiga para dizer que, naquela época, “os líderes debatiam as propostas legislativas em uma praça a céu aberto”. Agora é assim em Goiás: a moçada da escola pública discute as ágoras e promove a revolução dos que leem, a melhor forma de combater o analfabetismo, inclusive o funcional.

Na frase final de seu texto premiado, Iago define bem como deve ser a verdadeira função do senador: “É ser um homem de bem, capaz de fazer transformações, pois estas geram grande satisfação popular e fornecem para o Brasil o título de ‘Pátria Amada’, repetido inúmeras vezes por inúmeros cidadãos ao cantar o Hino Nacional”. Pena que sejam tão raros senadores iguais a Iago e ao modelo por ele idealizado.