Goiás tem saldo positivo de 209 milhões de dólares na balança comercial de setembro

postado em: Artigos | 0

O saldo da balança comercial de Goiás foi positivo no mês de setembro de 2019. O Estado exportou o equivalente a US$ 498.762.678 milhões e importou US$ 289.324.057, gerando um saldo superavitário de US$ 209.438.621 milhões.

No acumulado de janeiro a setembro de 2019 a balança comercial de Goiás segue superavitária, com saldo de US$ 2.326.646.325 bilhões. Nesse período as exportações bateram a casa de US$ 4.963.346.806 bilhões e as importações ficaram em US$ 2.636.700.481 bilhões.

Entre as cidades que mais exportam em Goiás está Rio Verde no topo da lista com saldo de US$ 96.472.255 milhões, seguido de Luziânia (US$ 42.176.021), Alto Horizonte (US$ 34.649.774), Mozarlândia (US$ 33.385.417), Barro Alto (US$ 27.887.043). A capital do Estado, Goiânia está na sexta posição no ranking das exportações com US$ 26.370.115. Em seguida vem São Simão, Jataí, Catalão, Palmeiras de Goiás, Ouvidor, Itumbiara, Crixás, Quirinópolis e Itaberai.

Dos países que mais importam produtos brasileiros em primeiro lugar aparece a China, seguida por Coreia do Sul, Japão, Espanha, Estados Unidos, Egito, Países Baixos (Holanda), Reino Unido, Rússia, Itália, Tailândia, Hong Kong, Taiwan, Vietnã e Emirados Árabes Unidos.

Produtos com origem na agropecuária lideram o ranking das exportações goianas, com destaque para os alimentos do complexo do milho, seguido das carnes e derivados e a própria soja in natura. O total de venda desse produto foi de US$ 114.595.168 milhões. Já a venda de carnes (bovina, aves e suína) chegou à marca de US$ 105.638.998 milhões. Produtos do complexo soja atingiram a marca dos US$ 88.723.075 milhões.

POLÍTICA DE ESTADO

O secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Wilder Morais, diz que assumiu a SIC com a missão de fortalecer o empreendedorismo no Estado, abrindo novas possibilidades e fomentando novas perspectivas de mercado.

O secretário avalia que Goiás tem potencial para crescer e conquistar novos mercados. “O Estado está com suas portas abertas para o crescimento”, comenta.